Devastação do cerrado gera desequilíbrio ambiental ~ Jornal Barreiras 24 Horas

Devastação do cerrado gera desequilíbrio ambiental

  Resultado de imagem para foto do cerrado brasileiro

Por Flavia Maia:

“Barbas de raiz, braços de tronco seco, pele de casca de pau — era o seu aspecto bravio. E ali, entre os troncos imemoriais, à luz azinhavrada e doentia que a mata coava, como se fosse um fundo de mar, tinha o velho um ar asperamente sagrado de profeta e demônio”

O cerrado sempre foi um bioma arredio. Quem quis vida fácil, atrás de riqueza passageira, como o ouro abundante do século 18, deu meia volta. Quem buscou progresso, insistiu, ficou. Com cal, o solo tornou-se menos ácido e passou a aceitar espécies, até então, estranhas. A terra ganhou gado e lavoura. De uma clareira na mata, as árvores passaram a dividir espaço com o concreto das cidades. De arisco, o bioma ganhou ares generosos. Com trabalho e com uma mudança ali e acolá, o homem fez dele a casa de muitos brasileiros.

Nos últimos 60 anos, o cerrado mudou como nenhum outro bioma brasileiro. Em suas terras, o Brasil expandiu a fronteira agrícola, garantiu a integração nacional e possibilitou a mais monumental façanha arquitetônica brasileira: a construção de Brasília. Mas o que tinha aspecto de simbiose começou a apresentar desgaste. O preço da transformação veio em forma de desequilíbrio. Se as chuvas tinham data para começar e período certo de ação, agora são perseguições diárias dos meteorologistas. Se jorrava água pelas nascentes, os rios e reservatórios estão cada vez mais secos. Se do fogo brotavam espécies, agora elas morrem nas chamas.

Rio Descoberto, na divisa entre GO e DF, atingiu o menor índice da história: 5,3%. Foto: Breno Fortes/CB/DA Press

O desequilíbrio ambiental começa a fazer parte do cotidiano e passa a ter um custo social e monetário para os moradores do cerrado. A mais drástica crise hídrica da história do Brasil Central é um exemplo. Brasília passa por racionamento e o Descoberto, seu principal reservatório, registrou 5% de volume. Em Cristalina (GO), as outorgas para irrigação foram suspensas e os agricultores tiveram que aprender a gerir o recurso. Em Goiânia (GO), moradores invadiram a caixa d’água da empresa de saneamento para conseguir o líquido. A falta de água também atingiu a geração de energia. O governo acionou as termelétricas, levando os consumidores a pagarem mais caro, por meio da bandeira vermelha.

Mas a conta não para por aí. As chuvas cada vez mais raras e intensas causam destruição quando chegam, como o vivido por Brasília e Abadiânia (GO) há duas semanas. O maior incêndio do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros (GO), mês passado, também foi um alerta do prejuízo da perda de biodiversidade. Para mostrar o cansaço do bioma, o Correiopublica a partir de hoje uma série de reportagens sobre a situação e as perspectivas para o cerrado

Contagem regressiva

Infográfico: Cristiano Gomes/CB/DA Press

Especialistas calculam que, se a perda de 1,1% da superfície original por ano se mantiver, o bioma deixará de existir na primeira metade deste século. Alguns estudos cravam que o fim será em 2030. Os mais otimistas estimam 2050. De acordo com números do Ministério do Meio Ambiente, a média são mais de 9 mil quilômetros quadrados de perda da cobertura vegetal por ano. Área correspondente a um território e meio do Distrito Federal. Há uma divergência entre a quantidade de área de cerrado devastada. O governo federal divulga 43,42%. Organizações ambientalistas falam em 50% de perda.

A escalada da destruição provoca uma cadeia negativa. A perda de cobertura vegetal nativa e a consequente modificação no ambiente impactam no ciclo hidrológico, com lençóis freáticos cada vez mais vazios, chuvas mais esparsas e fortes e rios com vazão menor.

“Acabando com a savana mais rica do planeta, estamos dando um tiro no pé. Nas cidades, a impermeabilização não deixa mais penetrar água no solo. No campo, o agronegócio consome de 70% a 80% da água do Brasil. A demanda só aumenta. Vai haver um colapso”,

alerta Reuber Brandão, professor de Engenharia Florestal da Universidade de Brasília (UnB).
Animais ameaçados

Com o aumento do desmatamento, em 12 anos, as espécies animais ameaçadas de extinção passaram de 75 para 176. O mais grave: nesse período, nenhuma conseguiu deixar a lista. Quatro estão categorizadas como criticamente em perigo, sob risco iminente de desaparecerem. Trata-se da borboleta Hyalyris fiammetta, de duas aves — o pararu-espelho e a rolinha-do-planalto — e do rato candango. Exemplares desse foi visto pela última vez por funcionários da Novacap, durante a construção de Brasília, na região onde hoje estão a Candangolândia e o Zoológico de Brasília.


Na flora, há 310 tipos ameaçados. Das 1.140 plantas que podem ser perdidas, 657 já são consideradas condenadas à extinção, apontam estudos baseados nos dados da organização britânica Lista Vermelha de Espécies em Extinção. A velocidade da destruição maior do que a capacidade de ações públicas e privadas de conservação preocupa especialistas. “O planeta não aguenta do jeito que a gente está indo. Não é só o cerrado. O planeta vai estourar antes e o cerrado vai embora junto”, lamenta José Felipe Ribeiro, pesquisador da Embrapa Cerrados.

A lavoura e o pasto ameaçam de extinção 44 espécies nativas do cerrado, segundo levantamento do ICMBio

Considerado um dos biomas mais ricos do planeta, o cerrado abriga 4% da diversidade mundial — há 17.487 tipos de animais e plantas no bioma. A representatividade de mamíferos e pássaros é ainda maior (8%). A savana brasileira é a casa do lobo-guará, da onça, da paca, da jaguatirica, do gato-palheiro, do tamanduá bandeira, da seriema, do inhambu-chororó, da coruja-buraqueira. Praticamente toda essa riqueza está concentrada em terras brasileiras (95%). O restante pode ser encontrado na Bolívia e no Paraguai. No entanto, só 3% da área de cerrado está efetivamente protegida em reservas. O resultado é a perda de metade da formação original e o extermínio das espécies. O desmatamento no cerrado é 2,5 vezes maior do que o da Amazônia, por exemplo.

A agropecuária, a expansão urbana, os empreendimentos de energia elétrica, o desmatamento, a poluição, as queimadas e a mineração são as atividades humanas que mais colocam em risco os animais do cerrado. A lavoura e o pasto ameaçam de extinção 44 espécies, de acordo com o ICMBio. O crescimento desordenado das cidades, 21. Os empreendimentos de energia, como os alagamentos de áreas para construção de hidrelétricas, 20. O desmatamento da cobertura vegetal, 14. A poluição de cidades, de fábricas e rejeitos agrícolas, 13. As queimadas, 12, e a mineração, 9.
Ocupação desordenada


Crescimento urbano desenfreado ameaça 21 espécies de animais. Foto: Breno Fortes/CB/DA Press

Mapeamento feito pela Organização Não-Governamental WWF, aponta que o Distrito Federal e os estados de Goiás, Minas Gerais, e São Paulo são os locais de maior perda da biodiversidade. Nem o fato de grande parte do DF estar inserido na Área de Proteção Ambiental (APA) do Planalto Central impede a perda de tipos vegetais e animais. Na capital da República, a principal influência é a urbana: a partir dos anos 2000, a crescente mancha urbana tomou fôlego e duplicou. A população do DF chegou a mais de 3 milhões em 2017. Há ainda a pressão populacional exercida pelos municípios goianos do Entorno. São mais 1,12 milhão de pessoas, contando apenas as 11 cidades limítrofes com o DF. Em São Paulo, Minas Gerais e Goiás, o impacto mais significativo é o do agronegócio. A pressão urbana acaba concentrada perto das cidades de maior porte.

Para o professor de Engenharia Florestal Reuber Brandão, da UnB, a perda de biodiversidade pode ser bem maior do que o registrado, uma vez que áreas inteiras foram devastadas antes de registrar as espécies existentes no local e, uma característica do cerrado são os animais que concentram em determinadas regiões. “O avanço do desmatamento das áreas naturais é mais rápido que o avanço científico. O país investe pouco em ciência. É difícil saber se algumas espécies foram extintas, porque a gente sequer soube da existência delas”, comenta.

O que preocupa os ambientalistas é que em estados onde a devastação já ocorreu a terra tem valor mais alto. O preço médio por hectare em São Paulo, Minas Gerais e Goiás é maior do que em estados como Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia. Por isso, a expansão agrícola brasileira vem ocorrendo no sentido desses estados, o chamado Matopiba, que tem a faixa mais preservada. “Temos um contraponto da preservação: no cerrado, as terras mais baratas são onde há mais biodiversidade. As não ocupadas são as mais baratas, o que tem levado a expansão agrícola para essa região do Matopiba e é uma grave ameaça”, afirma Júlio César Sampaio, coordenador do programa Cerrado-Pantanal da WWF Brasil.


Redes:

TV BARREIRAS

PATROCINADOS

Anuncio!

 http://www.templateparablogspot.com/

Postagens mais visitadas

Arquivo do blog